Endocrinologia Pediátrica

 

 

Endocrinologia Pediátrica

 

 

     A Endocrinologia Pediátrica é uma área de atuação que requer a interação de conhecimentos pediátrico e de endocrinologia para diagnóstico e tratamento de disfunções hormonais, que se instalem desde o período neonatal até o final da adolescência (20 anos). Tais alterações hormonais determinam repercussões sobre o crescimento, o desenvolvimento e o metabolismo de um organismo em fase de maturação, devendo, por isso, serem considerados os aspectos peculiares de cada fase do desenvolvimento.

 

     Período Neonatal - No período neonatal, as anormalidades, mais frequentemente acompanhadas, são as da diferenciação genital; hipoglicemias; hipotireoidismo congênito; e hiperplasia adrenal congênita. Nas crianças menores, predominam os quadros de crescimento deficiente, os hipotireoidismos adquiridos, diabetes mellitus tipo 1 e os sinais puberais de apresentação precoce. Durante a adolescência, as queixas mais frequentes estão relacionadas à falta de desenvolvimento puberal e genital, disfunções tireoideanas autoimunes, diabetes mellitus tipos 1 e 2, obesidade, etc.



     Crescimento Normal - O crescimento de crianças e adolescentes deve ser vigiado, desde o nascimento até a obtenção da estatura final, utilizando-se, para isso, gráficos de crescimento populacionais, que estejam adequadamente ajustados para a população a que o indivíduo pertença. Os sinais de alerta para um crescimento inadequado são: percentis ou canais de crescimento abaixo do padrão populacional ou inferior ao esperado para o padrão genético da família, desaceleração do crescimento com relação à velocidade esperada para a idade, sexo e grau de desenvolvimento, previsão de estatura final abaixo da estatura alvo familiar.



     Puberdade Precoce - Classicamente, o início da puberdade deve ocorrer entre 8 e 13 anos, nas meninas, e no período que vai dos 9 aos 14 anos, nos meninos. Puberdades que se iniciem, em meninas menores de 6 anos ou em meninos menores do que 7 ou 8 anos, são consideradas muito precoces, requerendo investigação e, freqüentemente, tratamento. Na idade compreendida entre 6 e 8 anos (meninas) e 7 e 9 anos (meninos), considera-se um período limítrofe, no qual a avaliação clínica do ritmo de desenvolvimento puberal irá definir a necessidade de investigação laboratorial ou eventual tratamento.

     Quando a precocidade ou o atraso puberal se devem, respectivamente, a uma aceleração ou retardo constitucional do crescimento e puberdade (ACCP e RCCP), não há prejuízo na previsão de estatura final e a repercussão psicossocial desta variação fisiológica costuma ser de pequena intensidade. Nesta situação, habitualmente, não há necessidade de tratamento. Quando a puberdade for realmente precoce ou tardia, a investigação da causa do processo, bem como do mecanismo pelo qual o evento puberal foi ativado, são essenciais para a correta escolha do tratamento.



     Teste do Pezinho - A triagem neonatal ou o Teste do Pezinho deve ser realizada no momento da alta do berçário, já entre 48 e 72 horas de vida. Isso garantirá a detecção e tratamento do hipotireoidismo congênito entre 10-15 dias de vida, idade esta já estabelecida como precoce o suficiente para prevenir as alterações cerebrais. Porém um resultado negativo nesta idade não exclui a totalidade dos casos (falso negativo) e, portanto, crianças com sintomas sugestivos devem ser submetidas à avaliação laboratorial para confirmação diagnóstica, independente do resultado do primeiro teste. Felizmente, esta falha de detecção é rara, o que torna a triagem neonatal do hipotireoidismo congênito altamente efetiva e de grande importância na prevenção da doença mental.



     Obesidade e Diabetes - Embora não seja uma regra sem exceções, grande parte das crianças e adolescentes obesos também terão obesidade na idade adulta. Isso porque, além de carregarem os determinantes genéticos, tendem a manter os erros nutricionais e sócio-culturais que desencadeiam e agravam os mecanismos geradores do ganho excessivo de peso. Portanto, embora o tratamento medicamentoso não seja necessário durante essa fase, todas as medidas educacionais são essenciais para a prevenção da evolução do quadro de obesidade.

     Especial atenção deve ser dada aos pacientes com história familiar de obesidade, diabetes mellitus, hipertensão arterial e dislipidemias, já que a obesidade na infância já pode ser uma primeira manifestação clínica da resistência à insulina, envolvida na gênese da Síndrome Metabólica plenamente manifesta no adulto. Na vida moderna já se observa, como fenômeno mundial, o aumento de casos de diabetes tipo 2 (que normalmente é desencadeado na idade adulta) em crianças e adolescentes. O fato tem sido associado ao aumento de peso e ao maior sedentarismo das crianças e adolescentes, devido às facilidades eletrônicas para o lazer, como os joguinhos computadorizados, além do aumento da oferta de alimentos, classificados como fast-foods. O controle do desenvolvimento da obesidade é de extrema importância preventiva.

 

 

 

 

 

Last modified on Segunda, 27 Novembro 2017 17:50

Topo